Estrangeiros no momento
2003-11-20
 
Conhece-te a ti proprio, e conhece o inimigo
No seu artigo no DN, Manuel Villaverde Cabral considera que a reaccao desfavoravel `a luta contra as propinas e' uma manifestacao do conservadorismo em que a sociedade portuguesa caiu. MVC tem razao em dizer que a sociedade portuguesa esta mais conservadora. Mas, e' so' isso que ha' a dizer? Eu acho que esta luta e' um dos maiores exemplos de ma' leitura da situacao pela esquerda.
A reaccao dos estudantes `as propinas foi sempre baseada no principio da gratuitidade do ensino superior. Este principio justificou o slogan "Nao Pagamos". O problema e' que este slogan nao tem nenhuma ligacao a' realidade. E' verdade que ha' trabalhadores estudantes. E' verdade que, em alguns paises, e' possivel a um estudante pagar o ensino apo's encontrar trabalho. Mas em Portugal a verdade e' que o ensino superior e' e sera' gratuito para maior parte dos estudantes porque quem paga sao os pais. (Notem que eu nao estou a expressar nenhuma opiniao acerca do estado das coisas. Estou a tentar fazer uma leitura da realidade)
Nesta questao de pagar ou nao pagar, a verdade e' que, na maior parte dos casos, os estudantes nao sao tidos nem achados. Quem tem o poder sao os pais: sao eles os pagantes. E qual e' a realidade sociologica do nosso pai's? Em Portugal, antes do 25 de Abril, o ensino (nao so superior, como ate liceal) era reservado a uma elite. A geracao que agora tem 50 anos, impossibilitada de prosseguir estudos por varias vicissitudes, transferiu para os filhos esse desejo. De tal modo que suportam financeiramente uma
explosao do ensino superior privado unica na Europa. E' evidente que neste contexto a luta estudantil so podia ser recebida com indiferenca (Sao jovens estudantes, e' normal que se manifestem) ou hostilidade (Te^m todas as oportunidades, e andam para aqui a gozar com a malta).
Quando os protagonistas de uma contestacao sofrem de uma tao grande desconexao com a realidade, estao condenados ao isolamento. O recente discurso de indiferenca de Jorge Sampaio pode ser considerado o fim do "Nao Pagamos". As propinas estao ai para ficar. Quer isto dizer que a luta foi perdida? Eu digo que a verdadeira luta ainda esta para comecar.
Neste momento as propinas ja nao sao simbolicas. Mesmo que so representem 10 a 15% do custo dos cursos, e que haja um numero elevado de bolsas, a verdade e' que uma familia de rendimento medio com dois filhos no ensino superior pode ter de pagar 150 E por mes! Qualquer subida nas propinas ou diminuicao no numero de bolsas atingira directamente a classe media, ou seja, o nucleo que decide as eleicoes. Os estudantes te^m de procurar mobilizar os pagantes para esta luta. Sugiro um novo slogan: "Os nossos pais nao podem pagar mais".
E esta e' a verdadeira luta, porque o essencial nao e' a gratuitidade do ensino superior. O essencial e' o acesso universal, que ate agora foi preservado: com os valores ainda nao demasiado altos das propinas, e com as bolsas, ainda se pode dizer que nao e' por causa das propinas que alguem deixa de frequentar o ensino superior. Mas estamos quase ai'... (Nuno Anjos)

Powered by Blogger

Nedstat Basic - Free web site statistics