Estrangeiros no momento
2003-11-19
 
Portugueses no estrangeiro II
Reflexo de um estereótipo, Filipe?
Se os portugueses que estão no estrangeiro, ou estiveram no estrangeiro, e que portanto, os estrangeiros conhecem, são realmente governantas, empregadas de mesa, porteiras, etc, seria "exótico" que apresentassem num filme estrangeiro uma portuguesa como modelo de passarelle, ou como médica. Que eles existem, sim, é verdade, mas são exóticos.
Quando falamos de estereotipos e quando falamos de realismo? Eu creio que aqui é claramente uma questao de realismo. Que o cinema, a ficção televisiva portuguesa, etc muitas vezes seja muito pouco realista e goste de dar uma imagem de um Portugal aristocrata, antiguado mas "fino", isso sim é irrealismo por parte de Portugal. O Portugal dos porteiros, governantas, etc é muito mais real e numeroso.
Infelizmente isso nos faz recordar que Portugal é europeu por convenção. Na verdade é só Portugal. O país mais pobre a Ocidente de Europa, talvez juntamente com a Grécia.
Portugal é um país pobre, que já foi muito mais pobre, e que obrigou os seus filhos a fugirem em busca de um lugar onde pudessem comer e vestir com um minímo de dignidade.
Por acaso a minha família que também é de emigrantes emigrou para Angola e Brasil e não para Europa ou EUA, não contribuindo assim para a imagem "esterotipada" dos portugueses nesses países. Mas isso foi por acaso senão também teriam contribuído.
E outra coisa muito, mas mesmo muito importante: Governanta e Empregada de mesa são profissões que não deveriam implicar nenhuma imagem "negativa", e não devem ser postas no mesmo saco que "avozinha carrancuda do subúrbio de Paris", que aliás não creio que seja a imagem das portuguesas idosas no estrangeiro...RF

Powered by Blogger

Nedstat Basic - Free web site statistics