Estrangeiros no momento
2003-12-10
 
Buñuel e Lynch, sim.
Nuno é uma infelicidade (para ti) não apreciares Lynch. Que desde meu ponto de vista é um realizador que é genial não pelos seus efeitos mas muito mais pela sua posta en cena, pela sua genialidade narrativa, e pela sua atitude plástica (no sentido da pintura, e não no mal sentido) ao filmar e escolher o que filma.
Quanto a comparação me parece perfeitamente razoável. Quanto a buscar as diferenças nas causas da igualdade me parece isso sim um equívoco. Além de que considerar que o surrealismo de Dali e Buñuel era uma " reacção visceral ao conservadorismo, catolicismo e machismo espanhol tradicional" tem muito que se lhe diga. Se ambos se caracterizavam por essa "reacção", isso não significa que fosse a causa da "forma" como expressaram esta mesma "reacção".
Seria importante em nome da universalidade de ambos (Dali e Buñuel - já agora, é curioso que Lynch seja ele mesmo pintor e realizador... e em muitos aspectos freudiano como Dalí) não restringir a crítica que ambos fizeram ao contexto espanhol...
Já referistes a temática de Buñuel falta referir a de Lynch por se acaso isso nos ajuda a chegar as parecenças entre ambos e, vã arrogância de minha parte, a gostares de Lynch. Em minha humilde opinião, este senhor tem a quase totalidade da sua filmografia (e a totalidade da sua filmografia mais pessoal) baseada no desespero/medo do homem em "não ser bom", ou não deixarem que o seja, em particular no contexto familiar (casal, filhos, etc). Parece muito banal dito desta forma, mas a genialidade no seu estado mais puro aparece precisamente nestas obras que parecendo que falam do que é mais banal alcançarem o ângulo que só se obtém dos abismos e precipícios que existem nas partes que se acreditavam mais que exploradas da alma humana.
Mas realmente não será pela temática (o cinema não é tão pouco a arte do ensaio) que os dois se aproximam mas pela forma, e imaginário de suas obras. Já referi as parecenças entre "El Perro Andaluz" e Blue Velvet. E vou referir outras com aquela que para mim dos filmes que vi de Buñuel é o que no seu momento mais me encantou (se bem que Buñuel não seja dos meus realizadores favoritos): "Viridiana". Em que uma mulher que deseja ser boa e salvadora dos miseráveis termina assassinada pelos próprios mendigos que recolhe em sua casa. Neste filme, em particular, não reconhecer algumas similitudes com a essência daquilo que anda pelos filmes de Lynch, é não haver visto "Blue Velvet", "Fire Walk With Me/Twin Peaks", "Lost Highway", ou "Eraserhead". Para referir aqueles filmes que mais me apaixonaram de Lynch. Também gosto dos outros, mas estes são os essencias desde meu ponto de vista.
Além do mais deverias ter vergonha de não concordares com o Woody. Um apaixonado pelo jazz como tu, e um tipo esperto e que sabe dessas coisas das "películas"! Mas já vi que a tua onda é neo realismo...
RF

Powered by Blogger

Nedstat Basic - Free web site statistics