Estrangeiros no momento
2004-02-16
 
©2004 Terra Santa Corporation All rights reserved
No Brasil se dizia (ou alguém que já não me recordo disse) que a crise perdurava desde tanto tempo porque seguia sendo um muito bom investimento.

Lembrei-me desta "piada" a propósito das últimas notícias simultâneas e paralelas sobre casos de corrupção de Ariel Sharon e Yasser Arafat. Descubrimos agora o verdadeiro significado de toda aquela confusão no Médio Oriente. Trata-se apenas de invetimentos de alto risco em uma região onde a matéria prima, que neste caso é a estupidez humana, é muito barata, e a mão de obra (se bem que tenha que constantemente ser renovada...) está também ao preço da chuva.

Esta grande corporação, de seu nome "Terra Santa", com filiais em todos os continentes do mundo e sede em Jerusalém está passando, últimamente, dificuldades com a manutenção de sua imagem comercial de conflito teritorial/religioso determinante, transparecendo á opinião pública outras facetas eventualmente "menos dramáticas". Mas não parece que isto prejudique a posição dominante do conflito no mercado da miséria humana mundial. Aliás há que ter em conta que tal como noutros casos (Enron, Parmalat, etc), este tipo de crises corporativas será apenas reflexo de uma crise mundial que imagina-se temporária.

Contamos então que rápidamente o Conflito Israel-Palestina se recupere moralmente para que nos siga servindo regularmente a dose de dramatismo histórico que todos necessitamos nestes tempos em que fukuyamas anunciam finais de histórias e começos de lenga-lengas economicistas. Ou será que vamos descobrir que o "Fuku" tinha razão, e a única maneira de tratar o problema vai ser com alguma lei tipo "Anti-trust" que proíba tácticas monopolizadoras desleais de um conflito no contexto de todos os conflitos mundiais?
RF

Powered by Blogger

Nedstat Basic - Free web site statistics